Holocausto nazista - Humanidade

Sonho um dia viver entre flores como uma criança em paz, após as surras da vida, sentindo  o calor saudável do sol, longe de tanta dor, sofrimento, perseguição, toda humanidade em toda história passada emergiu nesse pensamento, mas, a guerra apaga o sol e torna a humanidade sombria diante de uma longa e tenebrosa saga pela vida sobre outra vida, mas, as flores serão sempre lidas.


JOEL DA SILVA SEGUNDO.

A humanidade desenvolve-se como sempre vemos, criando obras faraônicas, desdenhando seu semelhante, vendendo-se a vantagens, escravizada a ideais, explorando as  pessoas e vivendo num paraíso de sangue, o maior sonho de toda a humanidade sempre foi a liberdade, mas, o que detecto é um ideal para viver e morrer deixando um legado histórico nem sempre bom para humanidade ou até um exemplo do que não é bom, mas sempre misteriosa e vivendo aceitando o fim.

JOEL DA SILVA SEGUNDO

Criamos a destruição para podermos ter uma liberdade soberana, mas essa soberania será o fim do ponto inicial que gerou a humanidade? Se fomos forjados em batalhas, guerras, nela seremos destruídos? Nossa existência é uma ironia ao se saber que toda nossa vida vivemos inimigos de traços diferentes e costumes e fé diferentes, sistemas de controle como o capital, a humanidade é constituída desde sua origem pelo que é hoje e será sempre amanhã.

JOEL DA SILVA SEGUNDO


Crianças que sobreviveram aos nazistas e foram libertadas Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia 



As atrocidades de Mengele

(Foto acima)

Em suas experiências com seres humanos em Auschwitz, ele injetou tinta azul em olhos de crianças, uniu as veias de gêmeos, deixou pessoas em tanques de água gelada para testar suas resistências, amputou membros de prisioneiros e coletou milhares de órgãos em seu laboratório.


A medicina que se orgulha dessa colaboração do demônio tem que sofrer intervenção internacional sob suspeita de dar continuidade a algo similar ou de deter o caráter cruel 


(Foto acima)

Jacqueline Morgenstern, 7 anos de idade, mais tarde uma vítima de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme. 


Olá atormentados...O texto a seguir tem como tema, "O anjo da morte", médico nazista que matou e torturou uma enormidade de pessoas, em nome da "ciência" Nazista. Venha conhecer o carrasco de Auschwitz e mergulhar nos horrores da segunda guerra mundial.
Josef Rudolf Mengele nasceu em 16 de março de 1911, em Günzburg (Alemanha). Filósofo e coronel-médico da SS (tropa de elite nazista), executou 400 mil prisioneiros - entre eles judeus, homossexuais, ciganos, deficientes físicos e estrangeiros. Os poupados da morte eram enviados ao zoológico, como eram chamados os barracões onde ficavam as cobaias humanas.
Desde os tempos de faculdade na Universidade de Munique, tornou-se amante da genética e conheceu o Dr. Ernest Rudin, que pregava o dever moral dos médicos de eliminar "criaturas indesejáveis", ou seja, judeus e homossexuais. Aprofundou seus estudos e projetos no Instituto de Hereditariedade, Biologia e Pureza Racial do Terceiro Reich, em Frankfurt.

Os Experimentos

Mengele realizou cirurgias de mudança de sexo, removeu os órgãos genitais de milhares de crianças sem qualquer anestesia, castrou, esterilizou e testou-as com drogas alucinógenas. Ele acreditava que, anões, deficientes físicos e gêmeos eram fruto da excessiva miscigenação entre raças, alimentando uma espécie de "tara macabra" por estes últimos.
Com um sorriso nos lábios, Mengele presenteava-as com doces e roupas para depois levá-las ao seu laboratório - quando não nos caminhões que transportavam os prisioneiros, em seu próprio carro particular.


Em meio a um leque de testes monstruosos, ele transferia sangue de tipos diferentes de um gêmeo para outro e injetava corantes em seus olhos, causando infecções e cegueira; costurava-os no intento de criar um único gêmeo siamês; amputava braços e pernas para tentar, obviamente sem sucesso, regenerá-los e atirava os prisioneiros em tanques de água fervente para ver quanto tempo eram capazes de resistir.
Ao fim de seus experimentos, as cobaias eram mortas e tinham seus corpos dissecados. Dos cerca de 3 mil gêmeos que entraram em Auschwitz, apenas 183 sobreviveram. 


Os procedimentos de Mengele, que serviam como uma ótima desculpa para o seu sadismo, não contribuíram em nada para o progresso da medicina e jamais conseguiram provar a superioridade da raça ariana (alemã).

Fuga

Com a iminente derrota nazista, Mengele fugiu de Auschwitz pouco antes da chegada das tropas soviéticas e permaneceu escondido na Alemanha até 1949, quando mudou-se para a Argentina sob o falso passaporte austríaco de Wolfgang Gerhardt.

Confira abaixo os experimentos desse monstro que morreu em São Paulo - Litoral  (outras pesquisas dizem respeito a outros endereços, portanto o Estado é verdadeiro mas o local exato só investigando aos 77 anos, segundo pesquisas.

" Um casal de gêmeos chamados Guido e Nina , mal tinham completados 4 anos. Dr. Mengele os recorreu, e os devolveu de maneira perversamente mutilados. Eles estavam costurados pelas costas como gêmeos. Ao mesmo tempo que Mengele tinha ligado suas veias. Suas feridas supuravam, eles gritavam dia e noite. Eu me lembro que mãe deles , chamada Stella, conseguiu de alguma forma morfina, para dá fim ao sofrimento dos seus filhos. " ( Vera Alexander, diante do tribunal de Israel em 1985)
Muitas vezes Mengele matou gêmeos de origem germânicas, os Sinti e os Roma, para simplesmente dissecar seus cadáveres. Provas de tecidos e partes de cadáveres eram enviados para o instituto de antropologia Kaiser- Wilhelm-Institut em Berlim-Dahlem para análises científicas, pelo os quais eles sempre o agradecia escritamente. O diretor do Instituto, o Professor Otmar von Verschuer, foi professor de Mengele. Um vez eu deixou Mengele matar um família inteira de oito pessoas, simplesmente para ele enviar as diferentes cores dos pares de olhos para o instituto berlinês.

Solicitação de exame: única prova documental contra o Dr. Mengele 

Fonte: http://avidanofront.blogspot.com.br/2010/02/josef-mengele-o-anjo-da-morte.html

História da Humanidade

A humanidade formada pela sua história