NATUREZA HUMANA

Sobre Humanidade

Visão de Joel da Silva Segundo sobre os tempos remotos e comportamento estagnado da humanidade

Caio Júlio César Otaviano Augusto foi imperador de 27 a.C a 14 d.C. Otaviano Augusto (ou Otávio Augusto) foi o primeiroimperador romano e pertenceu à dinastia Júlio-Claudiana. ... Otaviano foi o primeiro Imperador a ser proclamado "Augusto", pelo Senado Romano, ou seja, um deus.

Históri da Grécia Antiga

NOSSA IDENTIDADE - ENCICLOPÉDIA

Expansão do povo grego (diáspora)

Por volta dos séculos VII a.C. e V a.C. acontecem várias migrações de povos gregos a vários pontos do Mar Mediterrâneo, como consequência do grande crescimento populacional, dos conflitos internos e da necessidade de novos territórios para a prática da agricultura. Na região da Trácia, os gregos fundam colônias, na parte sul da Península Itálica e na região da Ásia Menor (Turquia atual). Os conflitos e desentendimentos entre as colônias da Ásia Menor e o Império Persa ocasiona as famosas Guerras Médicas (499 a.C. a 449 a.C.), onde os gregos saem vitoriosos.

Esparta e Atenas envolvem-se na Guerra do Peloponeso (431 a.C. a 404 a.C.), vencida por Esparta. No ano de 359 a.C., as pólis gregas são dominadas e controladas pelos Macedônios.

Economia da Grécia Antiga

A economia dos gregos baseava-se no cultivo de oliveiras, trigo e vinhedos. O artesanato grego, com destaque para a cerâmica, teve grande a aceitação no Mar Mediterrâneo. As ânforas gregas transportavam vinhos, azeites e perfumes para os quatro cantos da península. Com o comércio marítimo os gregos alcançaram grande desenvolvimento, chegando até mesmo a cunhar moedas de metal. Os escravos, devedores ou prisioneiros de guerras foram utilizados como mão-de-obra na Grécia. Cada cidade-estado tinha sua própria forma político-administrativa, organização social e deuses protetores.

Cultura e religião

Foi na Grécia Antiga, na cidade de Olímpia, que surgiram os Jogos Olímpicos em homenagem aos deuses. Os gregos também desenvolveram uma rica mitologia. Até os dias de hoje a mitologia grega é referência para estudos e livros. A filosofia também atingiu um desenvolvimento surpreendente, principalmente em Atenas, no século V ( Período Clássico da Grécia). Platão e Sócrates são os filósofos mais conhecidos deste período.

A dramaturgia grega também pode ser destacada. Quase todas as cidades gregas possuíam anfiteatros, onde os atores apresentavam peças dramáticas ou comédias, usando máscaras. Poesia, a história, artes plásticas e a arquitetura foram muito importantes na cultura grega.

A religião politeísta grega era marcada por uma forte marca humanista. Os deuses possuíam características humanas e de deuses. Os heróis gregos (semideuses) eram os filhos de deuses com mortais. Zeus, deus dos deuses, comandava todos os demais do topo do monte Olimpo. Podemos destacar outros deuses gregos: Atena (deusa das artes), Apolo (deus do Sol), Ártemis (deusa da caça e protetora das cidades), Afrodite (deusa do amor, do sexo e da beleza corporal), Deméter (deusa das colheitas), Hermes (mensageiro dos deuses) entre outros. A mitologia grega também era muito importante na vida desta civilização, pois através dos mitos e lendas os gregos transmitiam mensagens e ensinamentos importantes.

Os gregos costumavam também consultar os deuses no oráculo de Delfos. Acreditavam que neste local sagrado, os deuses ficavam orientando sobre questões importantes da vida cotidiana e desvendando os fatos que poderiam acontecer no futuro.

Na arquitetura, os gregos ergueram palácios, templos e acrópoles de mármore no topo de montanhas. As decisões políticas, principalmente em Atenas, cidade onde surgiu a democracia grega, eram tomadas na Ágora (espaço público de debate político).

Aconteceu na História da Grécia:

- Em 776 a.C. tem início os Primeiros Jogos Olímpicos da história, realizados na cidade grega de Olímpia.

- Em 594 a.C., o legislador grego Sólon dá início a uma ampla reforma política, econômica e social em Atenas.

- Em 490 a.C, os gregos vencem os persas na batalha de Maratona, no contexto das Guerra Médicas.

- Em 478 a.C, Atenas implementa a Liga de Delos (aliança militar grega) para combater os persas durante as Guerras Médicas.

Fonte: http://www.suapesquisa.com/grecia/periodos_historia_grecia.htm


Formou-se após a migração de tribos nômades de origem indo-europeia, como, por exemplo, aqueus, jônios, eólios e dórios. As pólis (cidades-estado), forma que caracterizava a vida política dos gregos, surgiram por volta do século VIII a.C. As duas pólis mais importantes da Grécia foram: Esparta e Atenas.

Introdução

A civilização grega surgiu entre os mares Egeu, Jônico e Mediterrâneo, por volta de 2000 AC. Formou-se após a migração de tribos nômades de origem indo-europeia, como, por exemplo, aqueus, jônios, eólios e dórios. As pólis (cidades-estado), forma que caracterizava a vida política dos gregos, surgiram por volta do século VIII a.C. As duas pólis mais importantes da Grécia foram: Esparta e Atenas.

Por Rainer Sousa

A Grécia Antiga nasceu na região sul da Península Balcânica e também dominou outras regiões vizinhas como a Península Itálica, a Ásia Menor e algumas ilhas do Mar Egeu. Com o passar do tempo, várias cidades politicamente autônomas entre si apareceram e fundaram diversas práticas que influenciaram profundamente os costumes que hoje definem a feição do mundo ocidental.

Do ponto de vista geográfico, o espaço que deu origem ao Mundo Grego é repleto de vários acidentes geográficos. A variação no relevo teve enorme importância para que cada cidade consolidasse uma cultura própria e impedisse a formação de um possível Estado unificado. Além disso, por conta dessa mesma característica, vemos a impossibilidade de uma atividade agrícola extensa.

Após vivenciarem uma experiência social centrada na utilização coletiva das terras, observamos que o desenvolvimento de uma aristocracia empreende a fixação dos primeiros núcleos urbanos. Por conta de sua já citada independência, compreendemos que a Grécia Antiga deve ser observada como um amplo mosaico de culturas que se desenvolvem de forma diversa.

Sumariamente, as cidades-Estado de Atenas e Esparta atestam a existência de tal diversidade cultural e se mostram dotadas de práticas e costumes que influenciaram a cultura Ocidental. Entre os atenienses, concedemos destaque especial à organização do regime democrático. Com passar do tempo, a ideia de se construir um sistema político representativo ganhou espaço e novas ressignificações ao longo do tempo.

Em dado momento, as diferenças entre as cidades-Estado promoveu o acirramento dos interesses políticos entre as mesmas. Com isso, apartadas entre as Ligas de Delos e do Peloponeso, as cidades da Grécia Antiga se desgastaram em uma prolongada guerra que acabou abrindo portas para a dominação de outros povos sobre esta civilização. Primeiramente, temos Alexandre, O Grande, como o primeiro dominador da região.

Mesmo promovendo sua hegemonia militar contra os gregos, o imperador Alexandre assumiu o papel de grande entusiasta da cultura grega. Nos vários centros urbanos e territórios que controlou, fez questão de disseminar os elementos da cultura grega por meio de manifestações diversas. Ao fim, a ação do imperador macedônico foi de suma importância para que os valores helênicos perdurassem ao longo do tempo.

Quando o império macedônico foi conquistado, percebemos que vários elementos da cultura grega influenciaram o desenvolvimento político, social e econômico do Império Romano. Mais uma vez, a cultura grega consolidava-se como elemento formativo de um novo conjunto de ideias e valores historicamente preservados e portadores de referenciais que balizam a compreensão da cultura Ocidental atual.

Império Romano 

Desde a era romana, vivemos ciclicamente com a marca de nosso passado, vivemos em meio ou da ganância, egoísmo, corrupção, traição, assassinatos, nada mudou, as máquinas apontam uma era de automação, mas o ser humano não mudou, evolução vem da ciência de mudança dos erros, a ciência cada dia descobre tecnologias, hoje vemos uma renovada história com depravação, um povo que se torna cada dia menos atrativo para exercer o trabalho perdendo a profissão pelas máquinas, mas, que faz por merecer tal fardo, estamos vivendo descrédito político, autoridades que deveria zelar pela justiça ao cidadão de bem, na verdade vemos assassinos covardes como a assassina de Isabele nardoni se solta por bom comportamento, assim vemos um povo sem justiça e oprimido, não podendo reagir, na era romana, o Coliseu era onde muitos sangravam em nome dos Césares, hoje não se entende o grau de maldição que tem aquela arena de banho de sangue, assim caminha a humanidade, tecnologicamente mudando e se matando na violência.

A igreja Católica Apostólica Romana surge de Constantino três séculos depois de Cristo, uma verdadeira revelação da farsa romana que se dirfarçou em fé, até hoje vemos igrejas e templos nos moldes de Roma.

A disciplina do exército romano deu a Roma o maior legado de formação militar, com as batalhas desenvolveu-se a postur e disciplina, mas, Roma era tudo mesmo? Não era um tempo cruél, perseguidor, dominador de espólio, hoje vemos as ações romanas no Senado, Assembléias Legislativas, Câmaras Municipais, Conselhos que advem do latim concílio, conclave de Roma, tudo lapidado pela era romana e de seus imperadores. Mudamos em matéria de instituições, armas de outros tempos, mas o comportamento é o mesmo, não considero cíclico mas, sim, a mesma dádiva que de nossa origem, essa marca nunca sai, estamos fadados ao destino e legados a deixar uma história, Roma foi a maior história de sofrimento de um povo e tirania de imperadores, ou parte perseguida que não agradava Roma, fora outras épocas como a inquisição, período napoleônico, as cruzadas, gerra sulista e nortista americana de Abrahan Lincown, primeira guerra mundial, segunda guerra mundial, comuismo de Stalin Lenini, Tchê Guevara, são histórias que se juntam ao período de nosso pais em 1964, que dizem ser ditadura e outros dizem e mostram que houve uma luta contra comuistas, em fim, continuamos nossos conflitos, julgando, apontando os outros e sentenciando, sim teremos máquinas em lugar de braços, mas onde seremos humanos com boa sociedade? Quando deixaremos de querer viver banhados em sangue?

Segundo Joel da Silva Segundo, a natureza humana é sempre a mesma, não muda com o tempo, os personagens podem ter nomes diferentes, mas as ações são sempre voltadas a ganãncia, ostentação, exploração, domínio, roubos, mentiras, fomos forjados na estupidez, mas, podemos mudar sim, reconhecendo tal fato.

Administração Romana

Um exemplo igual os dias de hoje em possibilidades e já existia capital

O exército romano

As conquistas do Império Romano deveram-se principalmente à firmeza e à disciplina de seus exércitos. A maior unidade de exercito era a legião, que contava com 4.800 soldados cada uma. No apogeu do Império, a Paz Romana era defendida por trinta legiões, ou seja, 144 mil soldados.

Os legionários eram muito hábeis na construção de pontes flutuantes para atravessar os rios. Essas pontes e a capacidade de manter um ritmo de marcha de mais ou menos 32 quilômetros por dia permitiam que as legiões se movimentassem muito depressa.

O legionário protegia-se com um capacete e uma e uma couraça. As pernas e os joelhos também tinham proteção. No braço esquerdo usava um escudo de madeira coberto de couro. Nos pés calçava sandálias de couro com pregos de ferro nas solas.

As armas ofensivas eram três: o pilo (tipo de lança com cerca de dois metros), o gládio (espada curta de lâmina pontiaguda com dois gumes) e o punhal.

Economia da era Romana

A economia do império Romano teve como base uma única moeda corrente,  cobrança de baixas tarifas alfandegárias e uma rede de estradas e portos protegidos. Tudo isso para facilitar as trocas comerciais entre as várias regiões.

Embora a agricultura fosse a atividade econômica mais importante do mundo romano, o comércio marítimo de produtos de subsistência, exóticos ou de luxo foi bastante expressivo.

Roma, centro do império, consumia cereais importados da Sicília e da África, e azeite de oliva proveniente em especial da região correspondente à Espanha e ao Egito. Os mármores coloridos, utilizados nas principais construções e em esculturas da capital e de outras cidades, vinham da Ásia e do norte da África.

O comércio de cerâmica, cujo principal centro de produção era Arezzo, na Itália, abastecia o mercado romano, bem como as províncias ocidentais, as do norte e o sudeste do império.

A produção em fábricas era praticamente desconhecida. Em sua maioria, os artigos eram confeccionados por artesãos, que trabalhavam com uma pequena produção e muitas vezes diretamente para os usuários das mercadorias encomendadas. Já as oficinas que fabricavam moedas eram de propriedade do imperadores e organizadas por seus funcionários.